ONCO HSC apoia campanha “Eu sou e eu vou”

04 de fevereiro, Dia Mundial do Câncer. Criado em 2005 pela União Internacional para o Controle do Câncer (UICC) com o apoio da Organização Mundial a data visa conscientizar e educar o mundo sobre a doença.

O ONCO HSC, Centro de Oncologia do Hospital Santa Catarina de Blumenau apoia a campanha “Eu sou e eu vou” e por isso publica, mensalmente, em sua landing page, informações sobre a prevalência da doença, os tipos de cânceres mais comuns e o que há de novo no mercado quando o assunto é tratamento e prevenção.

Participe da campanha dizendo quem você é e o que você pode fazer para reduzir os impactos da doença no mundo e fique atento a nossa landing page. E não se esqueça de usar a hashtag #EuSouEEuVou.

A hora de agir é agora.

Cada um de nós conhece pelo menos uma pessoa diagnosticada com câncer. Um familiar, um amigo ou um conhecido. Alguém que já tenha enfrentado a doença em alguma etapa da vida. Isso porque, segundo dados do INCA, a estimativa é que uma a cada três pessoas tenha câncer no mundo.

E infelizmente o assunto não acaba no diagnóstico. Anualmente, 9,6 milhões de pessoas morrem no mundo da doença. Sendo que, com hábitos saudáveis e informação de qualidade, 3,7 milhões de pessoas podem ser salvas a cada ano.

Há muito que podemos fazer. As mutações genéticas desempenham um papel em 5 a 10% dos cânceres, ou seja, 90% deles estão relacionados aos hábitos e estilo de vida.

O que você pode fazer para reduzir seu risco de câncer?

  • Escolha alimentos saudáveis;
  • Movimente-se mais;
  • Pare de fumar;
  • Reduza o consumo de álcool;
  • Exponha-se ao sol com cautela e fique longe das camas de bronzeamento artificial;
  • Evite poluentes e produtos químicos (incluindo amianto, pesticidas e recipientes que contenham BPA)
  • Vacine-se;
  • Conheça os sinais e sintomas.

Junte-se a nós no dia 4 de fevereiro. Saiba mais em World Cancer Day.

 

Últimas notícias
18 de março de 2020
Confira as alterações nos atendimentos devido ao COVID-19
14 de outubro de 2019
Prevenção e diagnóstico precoce do câncer de mama fazem a diferença