Vamos desmistificar o câncer de mama masculino? Saiba mais!

Apesar de ser uma doença rara, no Brasil, o câncer de mama masculino atingiu 600 brasileiros e causou 180 óbitos em 2019. Nos Estados Unidos, segundo o programa de Vigilância, Epidemiologia e Resultados Finais do Instituto Nacional do Câncer (SEER), ocorreu aumento no número de casos.

Em 1975, a incidência da doença era de 0.85 a cada 100.000 americanos. Porém, em 2011, o número praticamente dobrou para 1.43. O risco de desenvolver câncer durante a vida é de 1 a cada 1.000 em homens e de 1 a cada 8 nas mulheres.

Assim como outros tumores, o câncer de mama também é uma doença relacionada à idade. A média de idade do diagnóstico em homens é de cinco anos a mais do que as mulheres (67 vs. 62 anos). Homens negros possuem mais risco e ele duplica se houver parente de primeiro grau com câncer.

É importante ressaltar que apenas 1% de todos os cânceres de mama correspondem ao câncer masculino, mas todos devem ser submetidos a testes genéticos de predisposição hereditária.

Fatores de risco

As mutações nos genes BRCA são os principais fatores de risco para o desenvolvimento de tumores malignos, como o câncer de mama. Dessa forma, o BRCA1 e BRCA2 são supressores de tumor envolvidos no reparo do DNA.

Até 4% dos homens com câncer de mama possuem mutação no BRCA1 e de 4 a 16% apresentam mutação no gene BRCA2. Na Islândia, uma mutação fundadora é responsável por 40% dos casos de câncer de mama masculino.

A Síndrome de Klinefelter’s, caracterizada por hipogonadismo e baixo nível de testosterona, aumenta o risco da doença. Assim também a exposição à radiação e os elevados níveis de estrogênio (ginecomastia, anormalidades testiculares e obesidade).

Prognóstico 

O prognóstico do câncer de mama masculino é dificultado por diversos fatores. Entre eles, menor expectativa de vida, idade e tumor mais avançados no diagnóstico. Contudo, quando ajustado para estádio, características demográficas e tratamento, as taxas de sobrevida são altas.

Tratamento do câncer de mama masculino

Ao contrário das mulheres, a maioria dos pacientes com câncer de mama são tratados com mastectomia. Assim, mesmo diante do diagnóstico precoce, a remoção de uma ou ambas as mamas é indicada.

Últimas notícias
19 de fevereiro de 2021
Cirurgiões oncológicos iniciam atendimento no ONCO HSC
23 de outubro de 2020
As principais dúvidas sobre reconstrução de mama respondidas
15 de outubro de 2020
Como a Oncogenética pode contribuir no diagnóstico do câncer?