Mieloma Múltiplo: o que eu preciso saber?

O Mieloma Múltiplo é um tipo de câncer de medula óssea que afeta as células plasmáticas, um tipo de glóbulo branco. As células plasmáticas são células produtoras de anticorpos que fazem a defesa do organismo. Essas células de Mieloma causam problemas em diversos órgãos-alvo e precisam de tratamento.

No primeiro estágio, o Mieloma pode não apresentar sintomas. Contudo, à medida que a doença progride os sintomas aparecem. São sintomas típicos: dores ósseas, anemia, problemas renais e fraturas patológicas. Infecções frequentes também são comuns porque o sistema imunológico fica comprometido.

Não há um fator de risco isolado associado de forma consistente ao Mieloma Múltiplo. Sabe-se que o Mieloma é extremamente raro em crianças, adolescentes e adultos jovens.

Em adultos, a probabilidade de ocorrência da doença aumenta com a idade. A maior incidência é entre indivíduos na faixa dos 50, 60 e 70 anos, sendo mais comum em homens e em negros.

De modo geral, parece que algumas profissões, exposição às substâncias químicas (dioxinas, solventes, agentes de limpeza) e à radiação podem, eventualmente, causar Mieloma em indivíduos predispostos. A diversidade de exposições e os fatores de susceptibilidade genética possíveis dificultam a comprovação.

Apesar de haver uma tendência rara de ocorrência de Mieloma na mesma família (3%-5%), a probabilidade é baixa e não há ensaios genéticos disponíveis no momento. É provável que sejam necessários vários fatores ambientais e predisponentes para o desenvolvimento do Mieloma em um determinado indivíduo.

Sinais e Sintomas

Problemas ósseos

Normalmente, os dois tipos principais de células ósseas trabalham juntos para manter os ossos fortes e saudáveis. As células que formam um novo osso são denominadas osteoblastos. As células que destroem o osso velho são chamadas osteoclastos.

As células do Mieloma produzem uma substância que ordena aos osteoclastos a aumentar a velocidade de dissolução do osso, enquanto os osteoblastos não recebem um sinal para renovar o osso. Assim, o osso velho é destruído sem um osso novo para substituí-lo. Isso pode causar áreas de enfraquecimento dolorosas nos ossos.

Qualquer osso pode ser afetado, mas a dor nos ossos da coluna, quadris e crânio são as mais comuns à doença. Essas alterações aumentam a chance dos ossos de sofrerem fraturas. Às vezes, os ossos quebram devido a um pequeno trauma ou esforço.

Baixa contagem sanguínea

Quando as células do Mieloma substituem as células normais, produtoras do sangue da medula óssea, resultam na carência de glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas. Uma quantidade reduzida de glóbulos vermelhos (anemia) causa fraqueza, falta de ar e tonturas. Uma quantidade menor de glóbulos brancos (leucopenia) diminui a resistência às infecções. A diminuição das plaquetas no sangue (trombocitopenia) pode causar sangramentos importantes.

Nível de Cálcio aumentado no sangue

Quando as células do Mieloma dissolvem o osso, o cálcio é liberado, podendo aumentar o nível de cálcio no sangue (hipercalcemia). Isso pode causar desidratação e inclusive insuficiência renal. O aumento do cálcio também pode causar constipação, perda de apetite, fraqueza, sonolência e confusão mental. Se o nível de cálcio é muito alto, pode levar ao coma.

Sistema Nervoso

Se o Mieloma enfraquecer os ossos da coluna vertebral, eles podem fraturar e pressionar os nervos espinhais. Isso pode causar dor súbita intensa, dormência ou fraqueza muscular. Essa condição é considerada uma emergência médica e um médico deve ser imediatamente contatado.

Ocasionalmente, as proteínas anormais produzidas pelas células do Mieloma podem ser tóxicas para os nervos, levando à fraqueza e dormência.

Em alguns pacientes, grandes quantidades de proteínas podem tornar o sangue espesso. Esse espessamento é denominado hiperviscosidade e pode diminuir o fluxo de sangue para o cérebro, causando sintomas como confusão mental, tonturas e derrame. Pacientes com esses sintomas devem entrar em contato imediatamente com seu médico. O problema pode ser resolvido rapidamente ao retirar a proteína do sangue através de um processo chamado plasmaferese.

Problemas Renais

A proteína do Mieloma pode danificar os rins. Inicialmente, isso não causa nenhum sintoma, mas pode ser detectado com um exame de sangue. À medida que os rins começam a falhar, eles perdem a capacidade de eliminar o excesso de sal, líquidos e detritos do organismo, podendo levar a sintomas como fraqueza e edema (inchaço) nas pernas.

Infecções

Os pacientes com Mieloma são aproximadamente 15 vezes mais propensos a contrair infecções. Isso acontece porque o corpo é incapaz de produzir anticorpos para ajudarem no combate. A pneumonia é uma infecção comum e grave em pacientes com Mieloma.

Decidir qual será o tratamento é a etapa mais importante do processo

• O tratamento é recomendado para Mieloma ativo ou sintomático.
• A urgência do tratamento depende dos problemas específicos enfrentados pelo paciente.

Tipo de Tratamento Objetivo Exemplos Tempo para Decidir
Estabilização Combater os distúrbios bioquímicos e imunológicos que apresentam risco de vida. Plasmaferese para diluir o sangue e evitar um derrame cerebral.

Hemodiálise (uso da máquina de diálise) quando a função renal está comprometida.

Medicamentos para reduzir a hipercalcemia (podem incluir quimioterapia).

Horas

a

Dias

Paliativo Aliviar o mal estar e possibilitar uma vida normal ao paciente Irradiação para interromper a destruição óssea.

 

Eritropoetina para diminuir a anemia. Cirurgia ortopédica para fraturas ósseas ou para reforço da estrutura óssea.

 

Dias

a

Meses

Indução à remissão Melhorar os sintomas, retardando ou interrompendo o curso da doença Quimioterapia para matar as células malignas no corpo todo.

 

Irradiação para eliminar as células malignas no local do tumor.

Semanas

a

Meses

Cura Remissão permanente* Transplantes de medula óssea como uma forma de administrar quimioterapia em altas doses. Semanas

a

Meses

 

 

Últimas notícias
14 de outubro de 2019
Prevenção e diagnóstico precoce do câncer de mama fazem a diferença
31 de janeiro de 2019
Médicos do ONCO HSC participam do 41º San Antonio Breast Cancer Symposium