As principais dúvidas sobre reconstrução de mama respondidas

A reconstrução de mama pós-câncer, pós-mastectomia é conseguida através de várias técnicas de cirurgia plástica que tentam restaurá-la. O cirurgião plástico, especialista em cirurgia plástica reconstrutora das mamas, Dr. Hércules Moreira Lima, responde às principais dúvidas sobre o procedimento. Confira!

Qual o tempo de recuperação?

O tempo de recuperação depende da técnica utilizada. Cada paciente tem uma necessidade, dependendo da forma como foi feita a mastectomia e dos tratamentos adjuvantes (quimioterapia e radioterapia). Além disso, o tamanho da paciente, a largura do tórax e a mama contralateral são fatores que influenciam na escolha da técnica.

A mulher pode amamentar depois da reconstrução de mama?

O parênquima mamário, retirado na mastectomia, é a fábrica do leite. Portanto, mesmo após a reconstrução, é muito difícil que a mulher amamente. Assim, a reconstrução mamária não visa repor as glândulas mamárias, mas repor a parte estética da mama.

A mama não é um órgão vital e, portanto, a mulher não precisa dela para viver. Entretanto, a mama tem um símbolo dentro da mente da mulher, simbolizando a maternidade e a feminilidade. Apesar de parecer ser apenas um procedimento estético, a reconstrução mamária resgate a saúde mental e a qualidade de vida da paciente.

A reconstrução deixa cicatrizes?

A mastectomia que gerou a necessidade da reconstrução precisa ser feita por alguma via. Portanto, a reconstrução também causa cicatrizes, mas isso varia de paciente para paciente e dependendo da técnica escolhida. Dentro das possibilidades, o cirurgião plástico irá minimizar essa situação com uma cicatriz disfarçada.

Quais os prós e contras de fazer a reconstrução imediata? 

A reconstrução imediata começa no mesmo ato cirúrgico da mastectomia. Porém, isso não significa necessariamente que ela vai começar e terminar naquele procedimento. A vantagem de começar a reconstrução neste momento é que o processo da cicatrização da ainda não iniciou, então não há fibrose.

Apesar de ser o ideal, algumas pacientes não podem ser submetidas à reconstrução imediata. Seja em função da doença, em função das comorbidades ou tratamentos adjuvantes como a radioterapia.

A quimioterapia ou a radioterapia interferem na reconstrução?

Os tratamentos adjuvantes definem o momento adequado de realizar a reconstrução e o tipo. Por exemplo, quando a paciente inicia a quimioterapia depois da mastectomia, a reconstrução de mama precisa ser adiada porque durante a quimioterapia acontecem alterações orgânicas que atrapalham a cicatrização e deixam a paciente com imunidade baixa.

Já a radioterapia influencia diretamente reconstrução de mama porque cria uma mudança da textura dos tecidos. Portanto, é preciso se adaptar a essas mudanças para conseguir uma reconstrução satisfatória. Em contrapartida, existe uma série de outras terapias hormonais, medicamentosas que tem pouca interferência.

A mama reconstruída se parecerá com a outra mama?

A mama reconstruída precisa se parecer com a mama contralateral. Então, a escolha da técnica para reconstruir a mama que foi mastectomizada muito se deve ao formato da mama contralateral.

Como houve um avanço muito grande nas técnicas de reconstrução mamária no último século, devido ao aumento grande dos casos de câncer de mama, algumas técnicas têm resultados muito satisfatórios a fim de que as mamas fiquem o mais parecidas possível.

Posso ter um mamilo reconstruído?

O mamilo reconstruído é uma fase importante da reconstrução mamária e, geralmente, é a última. Atualmente, a reconstrução mamária com dermopigmentação (tatuagem) é uma técnica bastante utilizada.

A mama reconstruída sentirá o toque?

A mama reconstruída não tem a mesma sensibilidade de uma mama que foi submetida a uma cirurgia plástica estética e/ou uma mama normal. A sensibilidade é um pouco diminuída, mas existe sensibilidade.

O que acontece na mama reconstruída se eu ganhar ou perder peso?

No ganho e na perda de peso, tudo pode mudar, e a mama reconstruída também. Muitas vezes, há tecido gorduroso remanescente nessa mama. Uma mastectomia consegue tirar aproximadamente 99% da mama.

Porém, durante o ganho de peso ou perda de peso, alterações na pele acontecem e, dependendo de cada pessoa, pode haver mudanças na reconstrução.  A estabilidade do peso seria uma situação ideal para qualquer tipo de cirurgia plástica.

Antes da realização da reconstrução, é preciso que o câncer seja curado através de um excelente profissional, que faça adequadamente o tratamento oncológico e da mastectomia. Quanto mais cedo a paciente procura ajuda médica, maiores as chances de cura.

A qualidade de vida e a autoestima também podem ser recuperadas com a reconstrução de mama, quando ela afeta realmente a parte psicológica das pacientes. Então, não desista. Cuide, em primeiro lugar da sua saúde.

Últimas notícias
23 de outubro de 2020
As principais dúvidas sobre reconstrução de mama respondidas
15 de outubro de 2020
Como a Oncogenética pode contribuir no diagnóstico do câncer?
18 de março de 2020
Confira as alterações nos atendimentos devido ao COVID-19