A- A A+

Herpes-zóster: a catapora adormecida

Ele pode ficar adormecido por anos, mas basta uma queda na imunidade para o varicela-zoster acordar. Agente causador da catapora, o vírus tem o poder de desencadear outra infecção na vida adulta, o Herpes-Zóster, uma doença que causa bolhas na pele, dor aguda e pode deixar sequelas.

“O Hesper-Zóster é uma reativação do vírus da catapora. Adquirido geralmente na infância, o vírus permanece em repouso no sistema nervoso por muitos e muitos anos e pode “acordar” a qualquer momento da vida”, é o que explica o infectologista do Hospital Santa Catarina de Blumenau Dr. Amaury Mielle.

Embora a faixa etária mais frequente seja após os 60 anos, idade em que existe uma baixa natural da imunidade, qualquer pessoa que já teve catapora pode desenvolver a doença, especialmente se estiver exposta a situações de estresse ou doenças que comprometam o sistema de defesa. “Localizado bem próximo da medula, o varicela-zoster caminha pelo nervo e se aproxima da pele até provocar as chamadas lesões eritematosas, bolhas bem doloridas ao longo de uma faixa na pele, em geral limitada a um lado corpo”, completa o infectologista.

O maior problema é que o vírus pode aparecer de 10 a 14 dias antes do surgimento das lesões, já que vai inflamando as terminações nervosas por onde passa, o que retarda o diagnóstico.

De acordo com o Dr. Amaury, a varicela (ou catapora) é uma das doenças de maior transmissibilidade. “O primeiro contato com o vírus acontece principalmente na infância e para evitar o contágio é fundamental que as crianças sejam afastadas da escola e só retornem após liberação do médico e do desaparecimento das lesões”, alerta.

Vale lembrar de que os adultos que apresentam o herpes-zoster ativo também podem transmitir a doença para quem nunca foi infectado.

Prevenção

A única forma de prevenir o aparecimento da doença é a vacina contra a varicela, que deve ser aplicada em todas as crianças até os 12 anos de idade. Desde 2014, existe também uma vacina contra o herpes-zóster para adultos. No entanto, o produto tem indicação apenas para aquelas pessoas acima de 50 anos.

Mas como a baixa da imunidade é uma das responsáveis pela ativação do vírus, não custa nada investir em uma alimentação balanceada, atividade física regular e exposição frequente ao sol nos horários recomendados, isso certamente irá fortalecer o sistema imunológico e diminuir novas manifestações da doença.

Tratamento

A doença pode deixar sequelas que vão desde cicatriz no local de formação das lesões até cegueira e surdez nos casos mais graves. Também é bastante comum que o paciente apresente dor persistente no local, mesmo após o desaparecimento das lesões.

Segundo Dr. Amaury o tratamento deve ser iniciado o mais breve possível com drogas antivirais e controle da dor. “Às vezes, a dor é tão intensa que analgésicos comuns não resolvem e temos que partir para medicamentos potentes. Por isso, quanto mais cedo o paciente buscar ajuda, maior as chances de sucesso”, comenta.

O princípio ativo utilizado para conter a herpes-zoster é o aciclovir ou seus derivados (famciclovir ou penciclovir), que evitam a expansão das lesões, mas só tem efeito se tomado até 72 horas após o aparecimento dos sintomas.

Não confunda herpes simples com herpes-zóster

 O herpes-zóster que é causado somente pela reativação do vírus da varicela, enquanto o herpes simples é causado por outros vírus chamados herpes simples tipo 1 e 2. No herpes simples, as lesões são menores e tendem a apresentar maior incidência de recidivas.

O herpes tipo 1 é responsável pelo quadro de herpes oral. Caracterizado por vermelhidão, ardor e pequenas bolhas preenchidas com líquido claro, ele aparece na região dos lábios ou na parte interna da boca. Normalmente, o primeiro contato com o vírus ocorre ainda durante a infância, através de secreções orais.

O herpes tipo 2, por outro lado, é o principal responsável pelo quadro de herpes genital. Vermelhidão, ardor e pequenas bolhas com líquido claro nos órgãos genitais masculinos e femininos são suas principais características. A principal forma de transmissão é através de relação sexual.

Por Fabiane Moraes

 

 

Últimas notícias